Page 1 of 4 123 ... LastLast
Results 1 to 15 of 55

Thread: Portuguese Translations

   
  1. #1
    Points: 152,225, Level: 100
    Level completed: 0%, Points required for next Level: 0
    Overall activity: 19.0%
    Achievements:
    Three FriendsOverdrive50000 Experience PointsVeteran

    Join Date
    Sep 2009
    Location
    USA
    Posts
    16,078
    Points
    152,225
    Level
    100
    Thanks
    423
    Thanked 34,443 Times in 7,257 Posts

    Default Portuguese Translations

    This is the dedicated thread for Portuguese Translation of Daily Trial Information and Witness Testimonies.

    Mariajoaosilva is the volunteer translator.
    Twitter : Ivy_4MJ

  2. The Following 5 Users Say Thank You to ivy For This Useful Post:


  3. #2
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    23 Setembro, 2011,selecção do juri,

    84 potenciais jurados foram convocados pelo processo de selecção.
    10 Foram eliminados,apos terem anunciado que não poderiam comparecer na maioria das sessões.
    A vida e personalidade de Michael Jackson foram os pontos dominantes do interrogatorio.
    Os advogados de defesa colocaram as seguintes questões aos jurados:
    -Pensam que Michael Jackson é menos capaz de tomar decisões que uma pessoa da sua idade?

    -Se Michael Jackson era como uma criança,era menos capaz de tomar decisões?

    - Serão os diferentes criterios de responsabilidade,aplicaveis a Michael Jackson?

    -Crêem que o doutor Conrad Murray,é parcialmente responsavel pela morte de Michael Jackson?

    A acusação perguntou aos jurados se poderiam condenar Murray,se fosse provado que Michael Jackson teve responsabilidade na sua morte.
    A titulo de exemplo,uma situação foi apresentada aos jurados,onde »um condutor imprudente passou um sinal vermelho,e mata um peão que não cumpriu as regras de segurança,e atravessou em frente ao carro.»

    « Poder-se-ia dizer que o condutor não é 100% responsavel,mas que desempenhou um papel importante no acidente.Explicou o procurador Walgren.Declariam-no culpado?pergunta aos jurados.

    Entre os 12 jurados selecionados encontram-se 7 homens et 5 mulheres. 6 dos jurados são de raça branca , 5 são hispanicos, e 1 é Afro-Americano. 5 jurados de substituição* (3 mulheres, 2 homens)foram igualmente selecionados.


    NOTA : Os jurados de substituição são selecionados para evitar o recomeço do processo,caso um dos juris não possa comparecer,(por motivo de doença por exemplo);A totalidade dos jurados assiste ao processo,mas os de substituição não participam nas deliberações.

    Eis algumas informações sobre os 12 jurados:

    Jurado 127 : Mulher de origem Mexico-Americana,54 anos, gestora imobiliaria,tem uma filha que consome drogas e alcool há 5 anos,pensa que as celebridades são tratadas de maneira diferente pela justiça,Gosta da musica de MJ desde criança.

    Jurado 145 : homem de raça branca, 45 anos, Socio de uma firma de gestão,sua esposa é enferemeira pediatrica ,ja foi jurada 2 veezes e viu o This Is It.


    Jurado 61 : Mulher branca, 57 anos,desempregada,já trabalhou para a Cruz Vermelha,seguiu o processo OJ Simpson,Seu irmão mais novo é toxicodependente,e foi menbro de juri 5 vezes.

    Jurado 70 : homem branco, 54 anos, professor universitario de artes e animação,criou personagens para filmes da Disney,seguiu o processo OJ Simpson,Foi condenado por conduzir em contra-mão,e pensa que as celebridades são tratadas de maneira diferente pela justiça e podem violar a lei. Fan de MJ.

    Jurado 44 : Cubano/Mexicano –branco,Historial de acoolismo na familia,ja foi juri civil,fan de Mj especialmente de Thriller.

    Jurado 49 : Mulher branca, 43 anos, Directora de comunicação numa sociedade de marketing international,já participou nun caso de abuso sexual de menores,não pensa que a policia seja mais indulgente com as celebridades.

    Jurado 100 : Mulher branca, 48 anos, assistante juridica há 30 anos,Seguiu o processo Casey Anthony*,seu irmão foi tecnico de emregêcia médica,e pensa que os ricos e celebres são tratados de maneira diferente pelo sistema judicial.


    NOTA : O Processo Casey Anthony teve lugar na Florida este verão. Uma mãe foi acusada de ter exposto sua filha de 2 anos.È o primeiro grande processo que implica o uso da internet,e involve os meios sociais e os blogs,que foram muito mencionados por jornalistas como Nancy Grace no HLN.A defesa de Murray fez imensa referência a este caso,em particular ao impacto mediatico.Onde foi pedido sigilo aos jurados.A opinião publica dos EUA,diz que se tratou de um erro judiciario,e que a mãe absolvida,é culpada.

    Jurado 52 : homem de origem Meicana, 51 anos, transportador da UPS, assistante médico administrativo, fan MJ.

    Jurado 99 : homem hispanico, 42 anos, condutor de carrinha escolar,pai alcoolico,padrasto morreu devido ao abuso de alcool,foi jurado uma vez,e é fan de MJ.

    Jurado 38 : Mulher hispanica, 36 anos, seguiu o processo Casey Anthony, trabalhou para um medico,pai alcoolico e ausente,trabalha no apoio de servio ao cliente,jurada nun caso de condunção por alcoolismo,fan de MJ.

    Jurado 128 : homem Afro-Americano, 54 anos, diretor tecnico de televisão,tem um primo juiz,e um advogado, pai morreu de alcoolismo,membro de 3 juris,fan de Jackson 5 enquanto crianças,actualmente gosta de JayZ.

    Jurado 108 : homem branco, 32 anos,vendedor de livros,jurado civil,actor profissional,fan de MJ.

















  4. The Following 4 Users Say Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  5. #3
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    A seguinte mensagem é de june e ela explica-nos o que podemos esperar nas próximas semanas.

    Em resposta ao vosso pedido de informação básica sobre o processo,e sobre o que esperar nos próximos dias e semanas,tenho a certeza que tal não seja tão linear,embora acredite que o que se segue,poderá ser considerado o "básco".

    .Sessão de abertura/alegações da acusação,Terça.
    .Sessão de abertura/alegações da defesa,Terça.
    .A acusação começa por chamar as testemunhas,(provavelmente pela mesma ordem que tiveram nas sessões preliminares),incluindo ainda uma introdução ás provas existentes.
    . A defesa interroga as testemunhas,que depois são orientadas pela acusação,e novamente interrogadas pela defesa,se estes assim desejarem.
    .Quando a acusação terminar o interrogatorio ás testemunhas,a defesa começa a chamar as suas testemunhas para interrogatorio,e faz uma introdução ás provas existentes.
    .A acusação interroga as testemunhas da defesa,que depois são orientadas pela defesa,e novamente interrogadas pela acusação se assim o desejarem.
    . Uma testemunha irrefutavel pode ser usada por ambos os advogados para contrariar o testemunho directo.
    .Quando ambos terminarem a apresentação do caso,faz-se o ponto de siuação/sumario.

    O tempo estimado para o julgamento é de 4 a 6 semanas,e o Juiz/pastor,dará continuidade ao processo.
























  6. #4
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Informações supplementares dos nossos amigos juristas :

    Após os resumos da defesa e da acusação,e o juiz relembrar a lei,o juri retira-se para deliberar.
    No caso de um processo criminal,como este,é nesseçário a unanimidade dos 12 jurados para obter um veridicto.

    Se os jurados não chegarem a um acordo dentro do prazo estabelicido,o juiz pode renovar os jurados
    .
    O caso será de novo reaberto,e julgado por um novo juri.

  7. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  8. #5
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Julgamento de Murray Dia 1 - 27 Setembro de 2011

    A sessão começou com mais ou menos 30 minutos de atraso.O juiz Pastor explicou a razão como tendo sido problemas com o trânsito,e com os elevadores. O julgamento começou com o juiz Pastor a explicar aos jurados o processo,os intervalos,tirando notas,e explicando o que é uma sessão de abertura.

    Sessão de abertura/Acusação

    O procurador Walgren Começa o seu discurso de abertura. Usou meios audiovisuais para ajudar na argumentação que fazia.No meio desta,mostrou uma fotografia de Michael deitado numa maca,muito provavelmente a ser levado para o hospital,apos o sucedido.
    Procurador Walgren: “ As provas mostrarão que Michael Jackson colocou literalmente a sua vida nas mãos de Conrad Murray. Michael Jackson confiou a sua vida aos conhecimentos medicos de Conrad Murray.Essa confiança tornou-se demasiada,e o preço que pagou foi demasiado alto.” Procurador Walgren alegou ainda que as acções do Dr. Murray’s,levaram á sua morte.

    O procurador Walgren explicou o que Michael fazia,meses antes da sua morte.Walgren mencionou que Michael se estava a preparar para a sua "This is It"tournée,os ensaios,e ainda que Michael vivia em 100 N Carolwood com os seus filhos.

    Walgren menciona que Michael e o Dr. Murray se conheceram em 2006 em Las Vegas e se mantiveram em contacto.Na altura em que Michael Jackson morreu, Dr. Conrad Murray não tinha nenhum certificado em nenhuma especialidade medica.

    Em Março de 2009 Michael Pediu a Dr. Murray para o acompanhar em tournée.
    Murray concordou e pediu para ser pago $5 Milhões por ano. Foi-lhe pago a quantia de $150,000 por mês.
    Os deveres de Murray's incluiam não só medicina geral,mas tambem a prática de emergência medica. Ele teria recebido $150,000, mais despesas de voo para o Reino Unido,e ainda despesas com a casa.Teria aindo sido contractado como trabalhador independente.Na altura em que o Michael morreu,nenhum contracto tinha sido assinado pelo Michael ou pela AEG.

    O Procurador Walgren explica o que é o Propofol aos jurados.Walgren diz que não é um sonifero,mas sim uma anestésico.
    Walgren explica as vantagens e desvantagens do Propofol,e seus perigos.Menciona que Murray mentiu ao farmaceutico Tim Lopez, e disse que era para uso em pacientes que tinha na sua clinica na California.

    Walgren começa a descrever as encomendas de Propofol que Murray fazia,e como estas eram enviadas para a casa da sua namorada Nicole Alvarez's.

    O Procurador Walgren mostra parte de uma gravação audio,registada no seu iPhone a 10 de Maio.Menciona que Murray gravava Michael quando este estava sobre a influência de drogas desconhecidas.Walgren diz que isso prova que Murray sabia o efeito que o tratamento causava,e mesmo assim continuou a encomendar Propofol.


    A gravação dizia:

    “ Temos de ser fenomenais.Quando as pessoas deixarem o concerto,quando deixarem o meu concerto,quero que digam "nunca vi nada assim na minha vida".

    " Vão.Vão.Nunca vi nada como isto.Vão.È fantastico.Ele é o maior artista do mundo.Pegarei nesse dinheiro,num milhão de crianças,e criarei o maior hospital do mundo para crianças.Michael Jackson’s Children’s Hospital.”

    Entre o dia 6 de Abril de 2009,e a altura em que Michael morre a 25 de Junho,o Dr. Conrad Murray encomenda propofol suficiente para dar a Michael, 1,937 milligramas por dia,refere o Procurador David Walgren aos jurados na sessão de abertura.

    19 de Junho 2009. Michael não se encontrava em boa forma.Tinha arrepios,estava irritado,e tremia.
    Kenny Ortega coloca um cobertor sobre Michael,massaja-lhe os pés,dá-lhe na boca a comer galinha,e faz com que fosse para casa mais cedo.

    20 de Junho 2009.Há uma reunião onde se fala na saude de Michael.Walgren diz que Dr Murray repreende Kenny Ortega. "Eu é que sou o medico,não tu.Tu diriges a tournée,deixa a saude MJ comigo."

    Junho 23 e Junho 24 de 2009. Michael Esteve bem nos ensaios.Ele está bem,forte e optimista.

    Junho 25,de 2009. Michael chega a casa por vota da 1 da manhã.O procurador Walgren mostra fotos da casa,e dentro dos quartos.




    O Procurador Walgren mostra uma lista dos telefonemas e e-mails de Murray.Menciona o telefonema das 11:51 com Sade Anding e refere os 5 minutos em que Sade Anding notou Murray ficar perturbado e a parar de falar. O Procurador Walgren diz que foi entre os minutos 11:56 - 11:57 da manhã que provavelmente foi a primeira vez que Conrad Murray se apercebeu que Michael estavs morto.

    Walgren diz que Dr. Murray telefonou a Michael Amir Williams (MAW) ás 12:12 da tarde. MAW ligou a Murray ás12:13.
    Dr. Murray pediu que viesse á casa,e não pediu para ligar o 911
    MAW ligou a Alberto Alvarez e pediu-lhe que fosse até á casa.Quando Alberto chegou ao quarto,Murray pediu-lhe para recorrer os "vials",ea uma bolsa e solução salina intravenosa.
    O 911 foi chamado ás 12:20 da tarde.

    Os Paramedicos chegaram ás 12:26.Tentaram o melhor que puderam,mas Michael tinha morrido.
    Os Paramedicos perguntaram a Murray o que tinha dado a Michael. Murray diz Lorazepam,e não menciona Propofol.
    Os Paramedicos estavam ao telefone com UCLA,e estes queriam anunciar naquele momento a morte de Michael.
    Murray quiz que Michael fosse transferido para o UCLA.Quando chegaram ao UCLA ,os medicos perguntaram a Murray o que Michael estava a tomar. Murray disse aos medicos que Michael estava a tomar Valium,Flomax e que lhe tinha dado Lorazepam.Uma vez mais não menciona o Propofol.Michael è dado como morto ás 2.26 da tarde no UCLA.

    2 dias depois da morte de Michael,o departamento de policia de LA interroga Murray. Nesse momento,os resultados de toxicologia não tinham ainda chegado,e não era visivel nenhum trauma,como tal os dectetives não sabiam a causa da morte de Michael.Esta é a primeira vez que Murray menciona o Propofol,e conta a sua versão dos acontecimentos.

    De acordo com Murray,todas as drogas que tinha dado a Michael não funconaram. Ás 10 da manhã,Michael diz a Murray que teria cancelado os ensaios,e que não precisaria de se levantar ao meio dia.Murray decide dar propofol a Michael,e diz que deu 25 mg.
    Quando Michael estava deitado na cama com todas estas drogas em seu corpo,Murray envia um e-mail á companhia de seguros,a dizer que Michael está bem.

    Walgreen refere as questões das normas e cuidados.Procurador Walgren explica a grave negligência aos jurados e dá exemplos das acções de Murray que as provam.
    Tais como:
    - Não existe documento escrito relativo aos cuidados a prestar,os riscos,e forma de consentimento.
    - Não chamou o 911 (especialmente quando chamar o 911 é essencial,e de conhecimento básico).
    - A relação empregado/trabalhador.Murray não se preocupava com o que melhor serviria os interesses de Michael,mas unicamente trabalhava para receber $150,000. Não teve nenhum discernimento médico.
    -Enganou os paramedicos ao não mencionar o Propofol.
    - Enganou os médicos na urgência,ao não referir o Propofol.

    Murray tinha o dever legal de tratar de Michael,e não de o magoar.
    Murray com os seus olhos postos nos $150K,concordou em administrar doses massiças de propofol,não respeitando minimante os procedimento médicos.
    Murray abandonou Michael no dia 25 de Junho,cheio de drogas,sem equipamento de monotorização,sem equipamento de reanimação,deixou-o sózinho.
    Fica claro que Murray abandonou Michael quando este precisava de ajuda.

    Mostram-se fotografias durante a sessão de abertura por parte da acusação.

    Bolsa de solução salina e garrafa de fPropofol que Murray pediu a Alvarez para recolher.



    seringa



    Amostra de Urina



    Secção dos Intervenosos



    Cama




  9. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  10. #6
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Defesa de Murray,Sessão de Abertura:

    - Chernoff argumenta que Michael estava frustrado e deseperado para dormir e tomou 82 mg de comprimidos de Lorazepam,sem que Murray soubesse.Este facto causou a sua propria morte.

    - Chernoff acredita que provas cientificas,irão provar que Michael administrou Propofol quando Murray não estava no quarto,e juntamente com o Lorazepam presente em seu corpo,criou um combinação bombastica,que o matou instantaneamente.ele nem conseguiu fechar os olhos.

    - Quando Murray encontrou Michael,não havia maneira de trazer de volta.

    - 2 questões:
    o Como é que Michael chega a este ponto de desespero?
    o Quew se passou quando Dr. Murray saiu do quarto?

    - A TII teria sido historica.Teria sido uma tornée mundial.Michael iria ganhar imenso dinheiro,e tudo estava dependente desses espectaculos que ele nunca conseguiu realizar.Ele tinha um problema que não se resolveria com determinação ou talento.Ele sabia que precisava de ajuda e foi á sua procura na Primavera de 2009.

    -Verão de 2008,começam as negociações da TII.
    Outubro de 2008,reuniões.Michael chorou na reunião,dizendo que estava cansado de ser um vagabundo.
    Janeiro de 2009,assina o contracto.Michael tinha medo de não vender bilhetes.Vendeu rápidamente.Aumenta o numero de espectaculos para 50 com 2 condições:1 -Uma casa para ele e seus filhos,2- o livro de recordes do mundo Guinness ,estaria presente para registar o momento.
    50 espectaculos,1 arena,1 milhão de pessoas,iriam ver Michael de 50 anos actuar.Era isto que ele queria,e foi ele quem deu o nome á tornée sozinho.
    - Murray não é um medico de celebridades.Ele tem 2 especialidades.Ele faz Angioplastias,e estas requerem anestesias.Ele salva vidas.Pacientes de Murray irão testemunhar.Chernoff afirma que Murray não é ganancioso,e fez actos medicos de graça.

    - Um dos seguranças de MJ,conhecia Murray;ele foi chamado a hoteis para tratar dos seus filhos quando estavam doentes.Eles tornaram-se amigos.Michael contou-lhe sobre a sua infância,seus sonhos,etc.De 2006 a 2008,Murray tratou Michael de problemas como fungos,pé partido,coração e figado. Michael disse a Murray por 2 vezes que tinha ansiedade e problemas em dormir.Murray receitou-lhe remedios para dormir,mas estes não foram eficazes em Michael.

    Michael não tinha inonia. Michael Jackson tinha um enorme problema e incapacidade de dormir,não por minutos ou horas,mas por dias.

    -27 de Junho,encontro com a policia.A defesa apenas escolheu o local.9 das 10 testemunhas são tambem advogados.
    O Detective Smith já tinha falado com todos antes de falar com Murray. Não houve quaisquer restrições no que se refere a perguntas ou tempo.Ele respondeu a todas as perguntas.Nessa conversa,Murray afrmou que disse aos dectetives não saber o que matou Michael Jackson e que queria saber.

    Dr. Murray falou aos detectives nos problemas em dormir.Michael Jackson disse a Murray que tinha incapacidade de dormir,e que so conseguia dormir com o Propofol,pois sempre dormira com o este quando andava em tornée. Michael Jacksonexplicou como swe dava o Propofol. Murray disse aos dectetives que concordou em dar o Propofol a Michael para o ajudar a dormir.Disse que estava preocupado com o facto de Michael usar Propofol sem a sua presença.

    - Murray deu Propofol a Michael durante 2 meses.Durante 2 meses Michael dormiu,acordou,e ia trabalhar.Chernoff argumenta que Michael Jackson morre,quando Murray deixa de lhe dar Propofol.

    - Murray disse ao dectetives,que era seu objectivo,encontrar uma maneira de fazer Michael dormir normalmente.
    Ele diz que disse a Michael que não podia continuar a usar Propofol,o que aconteceria quando a tornée acabasse,e lhe começaria a dar outros sedativos para que dormisse.

    - Midazolam e Lorazepam foram encomendados tambem,pois Murray tinha esperança de poder passar a usar estes sedativos.

    - O dia em que Michael morre,foi o 3º,no processo de desintoxicação de Propofol.Nesse dia,o objectivo era de não administrar nenhum Propofol.Murray recusou-se a dar,e administrou Midazolam e Lorazepam.

    10 da manhã,Michael começa a suplicar por Propofol. Murray estava confuso e não consegue entender porque Michael não consegue dormir como dormira na noite passada.Murray verificou dentro da cama,para se certificar que os remediops que lhe dera,estavam dentro do corpo de Michael.

    - Michael compartimentava muito a sua vida.Muitas pessoas que faziam parte de sua vida,não conheciam vários aspectos desta,e Murray não sabia o que Michael fazia durante o dia.

    - Klein dermatologista.Michael visitava-o 3 a 4 vezews por semana. Relatorios medicos,mostram que ele implantava Botox,e que era injectado com Demerol em dosagens de 100 mg até 300 mg. Por vezes, 1000 mg por semana.

    - Irão apresentar testemunha sobre o seu vicio.Esta testemunha,dirá que Klein viciou Michael no Demerol,e que um efeito secundario deste vicio,é incapacidade de dormir.

    - Murray não sabia Demerol.

    - Michael foi injectado com Demerol a 16 de junho,e foi aos ensaios nesse mesmo dia.Foi dia 17,faltou o ensaio de dia 18 de junho,a 19 estava doente.Peritos irão explicar,que se pensa ser devido á falta do Demerol.

    - Michael dizia que sofria de insonia,porque estava sempre a pensar e a criar.

    - Murray disse aos investigadores que sabia que Michael tinha de estar levantado ao Meio dia,e que foi por isso que so lhe deu 25 mg de Propofol cerca das 10 da manhã . Ele sabia que Michael tinha Midazolam e Lorazepam em seu corpo.Michael disse a Murray que precisava de dormir,e de ensaiar,ou cancelaria a tornée.Tinha havido 3 reuniões,e por isso Murray sabia que Michael precisava de dormir.

    - Chernoff menciona a testumnha de defesa Paul White , "pai do Propofol". Explica o Propofol. Chernoff diz que a sua testunha irá explicar que não havia nenhum risco/perigo de vida, na quantidade de Propofol que Murray administrou a Michael.

    - Chernoff diz que não há margem para duvidad,por isso a questão é como é que Michael Jackson conseguiu mais Propofol. A defesa acredita que Michael deu a si proprio mais Propofol.

    Chernoff afirma que a defesa testou os niveis de Lorazepam no estomago de Michael,e que era 4 vezes maior que os niveis no sangue. Chernoff afirma que tal só é possivel se Michael andasse a tomar mais Lorazepam.

    - A Defesa acha que Michael queria dormir,e frustrado por não conseguir,e por seu medico lhe negar Propofol,ele engoliu até 8 compimidos de Lorazepam,enquanto Murray não estava no quarto.
    Murray deu-lhe Propofol não sabendo de tal,e quando sai do quarto,Michael dá a si proprio outra dose.

    - Chernoff afirma que os acontecimentos são trágicos,mas que Murray não é culpado,e que deviam pedir a absolvição.


    Testemunho de Kenny Ortega

    - Ortega afirma que tem sido director desde a decade de 80,coreografo desde a decada de 70.Conheceu MJ pela primeira vez em 1990.Michael convidou-o para trabalhar na Dangerous tour.Foi um co-criador e director de produção tambem na History tour,supervisionou a coreografia juntamente com MJ que fez a maioria. Ortega foi tambem responsavel pelo vestuario e iluminação.O mesmo se passou na tornée da This is It. MJ e Ortega estavam em contacto nos ultimos anos até Mj morrer. AEG disse a Ortega que MJ queira Ortega para a This Is It tour,e mais tarde foi MJ que o disse a Ortega. Ortega sentiu que MJ estava emocionado com a This Is It,pois Michael tinha dito que era o momento certo para a fazer.
    - Ortega começou a trabalhar em meados de Abril de '09 na This Is It. MJ estava muito envolvido.

    -Ortega Afirma que Michael tinha muitas razões para querer fazer a tornée naquele momento.Primeiro,seus filhos estavam curiosos em relação ás suas musicas e actuações. Michael sentia que as crianças iriam finalmente apreciar as suas performances.Segundo,ele queria fazer uma tornée para os seus fans.Michael estava a permitir a seus fans escolher as musicas que levaria a cabo em this is it.Terceiro,Michael achava que canções como Heal the World e Earth Song,eram tão ou mais importantes naquele momento,do que quando foram escritas.

    - A Preparação para a This is It s iniciou-se no centro de estagios em Burbank. Ortega, MJ e Travis Payne conceptualizaram a tournée. Ortega afirma,que naquele momento se encotrava com MJ 3 a 4 vezes por semana.

    - Os ensaios começaram no Forum de LA no principi de Junho de '09. Os filhos de Michael não foram aos ensaios,porque ele queria que as crianças se focassem na escola.Os ensaios duravam 5-7 horas,do fim da tarde até á noite. Michael fazia tabalho tecnico,ilumiação,ensaio musical,e dava as suas recomendações.

    -Ortega diz que conheceu Murray em Abril de 2009. MJ apresentou Ortega a Murray,na sua casa em Carolwood Drive. Murray ia raramente aos ensaios,nunca foi centro de estagio e foi uma vez ao forum,mas nunca ao Staples.

    -MJ não estava a comparecer aos ensaios em meados de junho,na ultima semana no forum. Ortega foi informado que era um problema de horarios e dai a sua "ausência continuada".

    - Sexta-feira19 de Junho, ainda no Forum,Ortega diz MJ "não estava nada bem".Esteva gelado,parecia perdido e incoerente.Ortega afirma que deu a MJ comida,cobriu-o com cobertores,e deu-lhe um aquecedor. Michael,de acordo com Ortega,perguntou-lhe se ele podia assistir sentado ao ensaio com Travis Payne que estava no lugar de MJ. Ortega concordou. Ortega realça que nunca viu MJ como ele estava,e sugeriu-lhe que fosse para casa.

    -Ortega é questionado sobre um e-mail que enviou a Randy Phillips da AEG a 21 de Junho,09.Nesse e-mail Ortega reafirma que Michael estava doente e que foi mandado para casa. Ortega diz ainda que MJ irá precisar de ajuda psicologica,e de um nutricionista.



    Texto do e-mail

    Randy

    Farei tudo o que puder para ajudar nesta situação.Se precisares que vá até casa,telefona-me de manhã.A minha preocupação é agora que o levamos ao médico,e que realizamos "o amor duro",a carta de que nem agora nem nunca o artista seja capaz de se erguer desta situção,devido a problemas emocionais.Ele pareceu muito fraco,e cansado esta noite.Tremia imenso,estava irritado,divagava e obsessivo.

    Tudo me leva a creer que ele devia ser psicologicamente avaliado.se é que temos alguma hipotese de o trazer de volta ás luzes da ribalta.Vai ser preciso uma forte terapia para o ajudar a ultrapassar isto,bem como nutrição fisica urgente.O coreografo disse-me que enquanto ele experimentava os fatos,o designer notou que ele perdeu mais peso.Tanto quanto sei,não está ninguem com a responsabilidade de cuidar dele.Onde estava a sua assistente esta noite Esta noite dei-lhe de comer,embrulhei-o em cobertores para o aquecer,massajei-lhe os pés para o acalmar,e chamei o médico dele.Estavam 4 seguranças á sua porta,mas ninguem lhe deu uma chavena de chá.Finalmente é importante que todos saibam que acredito que ele quer realmente isto.Destroçar-lhe-ia o coração se cancelasse.Ele está demasiado assustado,e tudo lhe passa ao lado.Perguntou-me vezes sem conta se o ia deixar.Estava practicamente a implorar a minha confiança.Partiu-me o coração.Parecia uma criança perdida.Ainda podera haver uma hipotese se o ajudarmos como ele precisa.

    Atentamente,
    Kenny

    - Ortega diz que houve uma reunião a 19 de Junho com a AEG,Randy Phillips e Gongaware. Ortega ouviu que Phillips e Gongaware disseram a MJ que se ele não começasse a comparecer aos ensaios,a This Is It seria cancelada.

    -a 20/06/09, Ortega foi convocado para ir á casa de MJ,para uma reunião com Randy Phillips, Frank Dileo, Conrad Murray e MJ. O assunto é o facto de Murray estar a ser acusado de mal tratar MJ fora de casa. Murray diz a Ortega que devia parar de um medico amador,e deixar isso para Murray.Ortega esclarece que não tomou a decisão de mandar Michael para casa,no ensaio do dia 19.Foi mutuo decisão entre ele e MJ.Ortega afirma que a conducta de Murray é severa.

    -Ortega afirma que não houve ensaios nos dias 21,e 22 de Junho.A 23,o ensaio da This Is It é mostrado, The Way You Make Me Feel, MJ usando uma t'shirt vermelha e azul.A 24, MJ está muito envolvido e participativo.Earth Song em This Is It foi gravada a 24 de Junho,o ultimo ensaio que Michael fez antes de morrer.Michael está a usar um casaco preto e uma sweat preta.Ortega diz que a ultima vez que viu MJ,lhe disse que gostava muito dele,e que Michael respondeu,Eu gosto mais.

    -Ortega diz ao procurador que Michael tinha planos para a This Is It muito para la de Londres.Planeava ir em tornée pelos EUA.Tambem queria fazer filmes Uma historia completa para Thriller, e Legs Diamond,que se baseia em Smooth Criminal.

    -Ortega afirma que a 25 de Junho,a parte de ilusão da This is It era para ser feita. MJ era suposto estar num cama onde apareciam chamas e fariam com que Michael desaparecesse.Iria depois aparecer numa grua,em cima da multidão.

    - No contra interrogtorio, Ortega nega que disse a Karen Faye que tinha lido a sina de Michael,e que este não apareceria.


    Testemunho de Paul Gongaware

    - Gongaware é o co-director da AEG. AEG éra a produtora da TII.

    - Gongaware diz que já trabalhou com Michael na Dangerous e history tours.

    (to be continue)....

  11. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  12. #7
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    (...)
    - Assinaram 31 espectaculos,porque Michael queria fazer mais 10 concertos que Prince.

    - Puseram apenas bilhetes para os 10 espectaculos porque queriam saber como estes iriam ser vendidos.Forma vendidos rápidamente.Puseram então o resto dos mesmos á venda,e isto fez com que os concertos aumentassem até 50.

    - Michael disse que faria os 50 concertos.

    - Todos os concertos foram vendidos,e mesmo assim havia cerca de 250,000 pessoas á procura de bilhete.Podiam vender mais 50 se quizessem.


    - O procurador Brazil pede a Paul Gongaware para relembrar os horarios do espectaculos,para as semanas seguintes.
    5 de Julho,5 ensaios / 8 concertos,/10 de Agosto,10 concertos / não tinha ensaios,9 de Setembro,9 concertos/não tinha ensaios Outubro / Novembro/ Dezembro,não tinha concertos / não tinha ensaios,/dia 3 de Janeiro 3 ensaios/10 concertos, /10 de Fevereiro 10 concertos/não tinha ensaios,dia 3 de Março,3 concertos/não tinha ensaios.

    - O Procurador Brazil pergunta a Gongaware sobre uma reunião em Carolwood house. Gongaware diz que Michael chegou tarde porque tinha estado com Dr. Klein. Parecia desligado e mais lento que o que costume.O seu discurso era arrastado,mas participou na reunião.


    - Gongaware disse que em Maio,Michael lhe pediu para contractar um medico particular,o Dr. Murray.Gongaware telefona a Murray. Murray diz que tem 4 especialidades,que precisa de dispensar pessoal e pede $5 Million por ano.Gongaware diz que tal nunca irá acontecer e cancela as negociações.Gongaware acreditou que podia chegar a um preço mais razoavel em Londres.Michael disse que precisava de trattar do seu corpo e que queria Murray.

    - Gongaware recebeu um telefonema de Michael Amir Williams que lhe disse que Michael queia contractar Murray.Gongaware ouviu na retaguarda Michael a dizer "oferece-lhe 150”.Ligou depois Dr. Murray,e disse que estava autorizado a oferecer-lhe $150,000 por mês,e Murray aceitou.

    - Gongaware pergunta a Murray como ira ser possivel exercer medicina,uma vez que ele não tem licensa no Reino Unido.Murray disse para não se preocupar,pois ele iria tratar da licença.

    - Mais uma reunião nos principios de Junho em Carolwood com Ortega, Dileo, Phillips,Gongaware, Murray e Michael.A reunião tem lugar porque Kenny Ortega achava que Michael não estava nas melhores condições,e temia que não estivesse preparado para a tornée.


    - Gongaware diz que a reunião correu bem e que Michael não se encontrava na defensiva,mas sim empenhado.Falaram do que poderiam fazer por Michael,para que tivesse todas as condições que necessita para recuperar os seus habitos alimentares e saude.

    Testemunho continuará mais tarde.

  13. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  14. #8
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    2º Dia Julgamento de Murray  - 28 de setembro de 2011

    Sessão da Manhã

    Retomando com Paul Gongaware
     (PG). Ms. Brazil continua o interrogatório.
    A programação foi agendada para a tour. De Julho a Setembro iriam haver 27 shows shows depois um intervalo de Outubro a Dezembro.  Em seguida,  23 shows entre Janeiro e Marçp. (8 shows em Julho, 10 em Agosto,  9 em Setembro,  10 em Janeiro, 10 em Fevereiro,  3 em Março ).
    Após a tour terminar em Março haviam planos para acrescentar concertos adicionais, mas PG sublinhou que estes eram apenas planos.
    No início de Junho houve uma reunião para discutir a saúde do MJ e contou com a vigorosa participação de MJ, CM, PG, Frank Dileo, Randy Phillips. Foi um encontro positivo.  PG também sabia do conhecimento da reunião do dia 20 de Junho  mas não compareceu.
    PG viu CM nos ensaios no Forum depois do encontro em Junho. PG não viu Murray noutros encontros.
    PG viu MJ ensaiando no dia 24 e 25 de Junho e pensou que MJ está forte, excitado, cheio de energia e empenhado.

    Interrogatório da Defesa.

    A defesa continua com a história de PG com MJ.  PG diz que ele era o gerente de tour de Dangerous e não viu muito MJ. Na Tour de History , na primeira etapa, ele trabalhou com o promotor e na segunda mão,  foi executivo da Tour.
    PG falou e interagiu com MJ no segundo semestre da tour de History. PG trabalhou em TII desde o início.
    A defesa traz de volta o dia em Michael veio do consultório de Dr. Klein. PG diz que viu um padrão mais lento na fala e pouco estigma no seu discurso. PG diz que ele estava à procura de qualquer uso de drogas por parte de Michael.
    PG diz que seu relacionamento com Michael era a relação de negócio, mas amigável.
    Se PG precisasse de entrar em contacto com MJ, ele iria vê-lo nos ensaios,  se MJ estivesse lá. Ou, se necessário, ele iria passar por Michael Amir.
    A reunião no início de Junho foi pressionada por Kenny Ortega, que estava preocupado que MJ estava faltando ensaios.
    PG não sabia quantas clínicas CM tinha, o valor das suas práticas, ou o tipo de Médico que CM era.
    Quando ele recusou $ 5 mil,  CM não tentou negociar outro preço. Esse foi o fim de sua correspondência, até MJ solicitar que PG entrasse em contacto com Murray e oferecesse a  CM $ 150.000 / mês.
    PG não sabia Murray era um cardiologista.  Ele não leu o contrato definitivo e não sabia por quanto tempo Murray iria receber $ 150.000.
    Ele não viu o contrato concluído entre Murray e AEG.  PG não estava envolvido e não sabia sobre o contrato entre a AEG e Murray.
    A defesa tenta trazer ao de cima o processo contra PG e AEG  por Katherine e ele foi derrubado.
    Brazil recorre.
    PG não sabia  que Conrad Murray (CM) deu a MJ doses de propofol todas as noites.
    CM não parecia surpreso que PG entrasse em contacto com ele sobre os seus serviços.
    Ele não tinha que explicar em profundidade por que ele estava telefonando.
    PG diz que um médico pessoal para uma Tour é normal, mas os US $ 5 milhões, era  elevado na sua opinião.
    Defesa recorre.
    PG fez um telefonema a outro médico para ter uma ideia sobre o pagamento aceitável.
    MJ disse que "eles são precisos para cuidar da máquina." 
    Não houve conversas adicionais sobre quaisquer necessidades médicas de MJ.
    Testemunho de Kathy Jorrie.

    Verificaçao de  Kathy Jorrie  (KJ) é uma advogada com Luce,  Forward,  Hamilton,  Scripps e está a cargo do seu escritório de Los Angeles.
    Ela foi contratada pela AEG para elaborar um contrato de serviços envolvendo CM e MJ. Ela começou a elaboração de um contrato com prazo entre Maio e Junho depois de ter sido contactada por Tim Wooley  (TM) da AEG. TM enviou-lhe informações básicas.  KJ enviou um primeiro rascunho do contracto de TM no dia 15 de Junho.  TM enviou o contrato para a CM e KJ recebeu um telefonema do CM sobre o contrato.
    A data de início do contrato de Murray foi quando as três partes assinaram o contrato.  O contrato não era válido até isso ser feito.
    O contrato inicial de CM tinha uma data final de Setembro de 2009.
    CM chamou KJ pedindo para mudar a data de término para Março de 2010.
    Kathy consultou CM sobre se ele pediu a MJ sobre o pagamento durante o intervalo de Outubro a Dezembro e todo o caminho até Março 2010.
    CM disse que ele fez e MJ estava disposto a pagar por seus serviços durante o intervalo e até Março de 2010.
    O contrato definitivo foi assinado pelo CM e enviado de volta para KJ a 24 de Junho de 2009.
    KJ falou com CM duas vezes sobre alterações no contrato.  CM solicitou algumas mudanças, uma foi para o início de seu pagamento a ser retroactivo a Maio de 2009.
    KJ CM disse não queria seu nome no contrato, mas em vez disso queria o nome da sua empresa, a GSA Holdings.
    KJ disse que poderia acrescentar  a empresa ao contrato, mas precisava ter o nome dele também.
    Outra mudança foi que um profissional médico deve estar disponível, em Londres.  KJ  perguntou a CM  porque isso era necessário.
    CM disse que era caso Murray não estivesse disponível ou precisava descansar, que alguém estaria lá.
    Havia um direito de rescindir o contrato imediatamente se MJ já não quisesse mais CM.
    Além disso, se a Tour for cancelada, Murray queria uma cláusula que dizia que se uma rescisão por qualquer uma dessas razões ocorrer após a data de pagamento do 15 º dia do mês,  CM não teria que devolver o pagamento desse mês.
    KJ teve uma conversa a 18 de Junho com o CM sobre os equipamentos médicos necessários que deveríamos ser incluídos como uma disposição no contrato.
    KJ queria saber por que ele precisava deste equipamento, incluindo uma máquina de CPR.
    CM disse quando MJ estivesse na Arena O2 ele ia estar realizando coisas extraordinárias.
    Considerando também sua idade,  CM queria que uma máquina.
    KJ perguntou se isso não estaria para esta na Arena?
    CM disse-lhe que não queria correr nenhum risco.  KJ estava preocupada se MJ poderia ter um problema cardíaco ou não era saudável.  CM assegurou-lhe que ele era saudável.  CM disse KJ três vezes que MJ estava em perfeita saúde.
    Eles também discutiram onde CM tinha sido licenciado para praticar a medicina. Murray disse a Kathy, que ele foi licenciado em CA, TX, NV, Hawaii.
    Conversa de 23 de Junho:  CM teve algumas revisões que ele queria. Ele perguntou o termo a ser alterado a partir de Setembro de 2009 a Março de 2010. Data de início foi alterado para 01 de Maio.
    O contrato dizia "os serviços solicitados pelo produtor" CM pediu que fosse alterado para "artista".
    KJ pediu a  CM  para ajudar com os registos médicos de MJ para submeter-se a um seguro de cancelamento de concertos.
    Empresa seguradora pediu cinco anos de história médica. CM pediu a KJ para enviar o que é necessário para a casa de MJ. Ele disse que só tinha sido o médico de MJ durante 3 anos e que  MJ estava bem de saúde, o arquivo seria muito pequeno.
    KJ mais tarde deu informações a CM sobre a empresa seguradora para que ele possa contactar directamente.
    CM repetidamente lhe disse que MJ era saudável, em excelente estado, ele estava óptimo.
    Acusação apresentou contrato que Murray enviado para KJ em 24 de Junho.  A assinatura era apenas de CM.
    Acima de onde era suposto MJ assinar, lê-se:
    "O abaixo-assinado confirma que  pediu ao Produtor o envolvimento de Dr. Murray nos termos aqui estabelecidos, em nome e à custa do abaixo-assinado."
    O contrato foi entre Murray, AEG Live, GCA Holdings com o consentimento do Michael.
    Interrogatório Defesa
    O contrato não foi assinado e nenhum pagamento foi feito a CM - pelo menos pela AEG. CM teve que fornecer seguro de responsabilidade civil e seguro de negligência médica.
    CM disse  a KJ que ele precisa do equipamento, em Londres.
    Primeira vez que KJ conversou com CM foi no dia 18. Quando ela recebeu a informação de Tim Wooley, a máquina CPR já estava na lista de máquinas  que CM precisava.
    Kathy: "Murray disse que precisava da máquina  CPR para MJ no local Ele não indicou que seria para ser usado em casa"
    KJ não estava ciente das horas que CM iria prestar em serviços a MJ. Ela assumiu que seria durante o dia.  Ela não tinha nenhuma pista de que os serviços seriam à noite.
    Registos não foram fornecidos para KJ. Mas ela pediu que os registos médicos fossem enviados para o corretor tentando garantir o seguro (Bob Taylor).
    De acordo com o contracto de CM  não foi proibido de fazer outras coisas de todo.
    Contrato foi rescindido, a critério do MJ. CM não tinha garantido o próximo mês de trabalho.
    Testemunho de Michael Amir Williams

    Assistente pessoal do MJ. Havia sido empregado por MJ em meados de 2007. Antes disso, ele tinha trazido alguns filmes de DVDs de MJ  para arquivar e organizar .
    MAW nada fez so que MJ precisava e se considerava um amigo de MJ. MAW era um elo de ligação entre MJ e a segurança pessoal. MAW foi a Carrolwood e telefonou para certificar-se de que MJ não precisava de nada. Se não, ele iria para o trailer de segurança.
    De acordo com o MAW só MJ e seus três filhos viveram na Carrolwood numa base contínua.
    Walgren de seguida, mostra várias fotos mostrando o layout e algumas fotos do interior / exterior daCarolwood.
    Rotina de segurança: Um veículo de antecedência, MJ no principal veículo com motorista e MAW e um detalhe de segurança a segui-los.
    Fãs fora da casa. Se algum de segurança fizesse alguma coisa contra seus fãs, eles iriam embora, de acordo com o MAW.
    MAW menciona que MJ manda parar, conversa com fãs,  recebe presentes,  imagens para assinar.
    MAW disse que um primeiro fã tentou esgueirar-se para ver o desempenho de MJ . Mas normalmente MJ tinha o a ele para fazer as coisas para ele / recados.
    Era uma regra em todas as áreas que ninguém iria entrar, a menos que eles foram convidados especificamente o que era muito raro. MAW disse que MJ gostava de sua privacidade.
    MAW encontrou Murray, pela primeira vez em 2008, em Las Vegas.
    Viu Murray a visitar a casa de MJ em Las Vegas em 2007. MAW chamaria  Murray em 2008 a pedido de Michael para tratar os filhos e ele.
    Amir disse que em Abril / Maio / Junho, era comum ver  o BMW de Murray estar estacionado lá depois de ensaios e ainda está lá na parte da manhã. Durante esse tempo, MJ pediu a MAW para telefonar a CM apesar de ele ter um telefone celular.
    MAW disse que eles deixaram  os ensaios para o final da tarde e não retornou depois que estava escuro, embora o tempo variado. MAW disse que não era incomum para ele  chamar a Murray antes do tempo para ter certeza que ele estava em casa.
    MAW disse que eles estavam atrasados para o dia ​​ 24 no Staples Center.
    Eles saíram por volta das 5 ou 6 pm mais ou menos, uma ou duas horas.
    MJ estava de bom humor e foi inflexível quanto chegar lá a tempo. Amir disse que pensou que o ensaio no dia 24 foi óptimo. "MJ me disse que ele só deu 30 / 40% nos ensaios. Mas eu achei que foi óptimo."
    MAW viveu no centro de Los Angeles e deixou Carolwood ir para casa depois de ter certeza de que MJestava na casa. Segurança este 24 horas ao redor da casa. Eles tinham que verificar portas, fazendo verificações aoperímetro, mas estavam estacionados no trailer.
    12:13pm, MAW recebeu um telefonema de CM. MAW não foi capaz de responder a esta desde que ele estava no chuveiro tentando se vestir. Quando ele saiu e viu o telefone, ele tinha uma mensagem. A mensagem dizia para telefonar a CM logo de seguida. Entao ele telefonou a Murray de volta. CM não lhe pediu para chamar o 911. CM disse-lhe para "chega aqui imediatamente e mandar alguém para cima" e que Michael teve uma reação má.
    A foto ainda do telefone (telefone de MAW) foi marcado Popular 12 e o vídeo do correio de voz foi marcado como  Popular 13.
    A transcrição da mensagem de vídeo foi rotulado como 14 Popular.
    "Chame-me de imediato. Por favor, ligue-me imediatamente. Obrigado."
    Walgren pega nas chamadas do telefone de MAW feitas no dia 25.
    Às 12:15 MAW telefona a CM e este  diz-lhe que MJ tinha tido uma reação má e pede-lhe para arranjar alguém para o quarto.
    Amir disse que Murray não lhe pediu para ligar para 911 inicialmente. Depois que ele desligou o telefone com CM, MAW chamou Faheem Muhammad (FM) às 12:16 e lhe disse para ir lá em cima.
    FM  disse a MAW que ele não estava na propriedade para executar uma missão para ir para o banco. MAW disse-lhe para se apressar e voltar para casa.
    Havia então três chamadas entre Amir e Alvarez que não estavam sendo ligado à rede então ele telefonou para Derrick Cleveland (outro segurança). Ele não o percebeu. Mais tarde, ele foi capaz de falar com Alvarez. Alvarez disse para ir para a casa e disse-lhe para correr. A ama abre a porta. Alvarez pediu MAW permissão para entrar na casa e subir as escadas. Alvarez desligou o telefone depois de pouco tempo. MAW fez uma serie de chamadas telefónicas .
    Amir: "Demorou talvez 30/40 minutos para chegar da minha casa para Carrolwood Quando ele chegou láos médicos estavam trazendo maca para baixo.."
    Filhos de MJ estavam no carro para seguir a ambulância para o hospital. MAW pensa CM parecia frenético. CM foi com a ambulância. As pessoas estavam seguindo-os para o hospital. MAW blindado as crianças com suas jaquetas e os levou para dentro do hospital para uma sala privada com a ama. Eles colocaram um segurança na porta. MAW esperou fora da sala que estavam trabalhando em Michael. Lentamente, as pessoas, como seu gerente e sua família foram para o hospital. Mais tarde souberam que MJ tinha morrido.
    Depois de Michael ser anunciado morto, Murray perguntou se ele ou alguém mais poderia levá-lo de volta para a casa para que ele pudesse obter algum creme de MJ, que ele tinha certeza que MJ não gostaria que o mundo visse. MAW disse "deixe-me verificar".
    Ele falou sobre isso com Faheem Muhammed (FM). Ele disse FM ele ia dizer a CM que a polícia tinha suas chaves.
    Ele então falou com CM  novamente , que pediu para ser levado para ir buscar algo para comer. MAW recusou.
    MAW dirigiu-se a FM e disse-lhes para chamar a segurança e dizer-lhes para bloquear a casa e não deixe ninguém entrar ou sair.
    MAW não viu CM depois de falar sobre comida. PMA deu os contactos de CM à policia.
    Depois de MJ ter sido anunciado morto  MAW  e os guarda-costas  carregaram os carros e foram  para enganar a mídia para que a família Jackson pudesse deixar de ser seguido.
    Pelo caminho MAW  recebeu um telefonema pedindo-lhes para voltar a Carolwood.
    Eles falaram com a policia em Carolwood.
    Tanques de oxigênio eram normais na casa. Os segurança iria pegar tanques de oxigênio e trazer para a casa.
    Interrogatorio da defesa.
    A defesa pergunta se a primeira vez que MAW mencionou o creme para os detectives foi em Agosto de 2009. MAW diz que sim.
    MAW nega planejar uma mentira com FM. Ele diz que apenas disse a FM o que ele diria a CM e FMdisse "faça o que você precisa fazer".
    PMA diz que havia um monte de policiais tanto na UCLA e Carolwood. Polícia perguntou-lhe sobre a linha do tempo do dia.
    MAW diz que sua conversa inicial com a polícia não estava em detalhe.
    MAW diz que falou com Michael várias vezes ao dia.A defesa volta-se para a primera vez que MAW viu Murray em 2007.
    MAW diz que ele só viu Murray para ir para a casa. MAW diz que nunca soube ou sabe como MJ e Murray se encontrou.
    A defesa menciona os telefonemas entre PMA e CM. Defesa pergunta se soou como uma emergência. MAW disse "Quando eu ouço alguém tem uma reação ruim, eu não acho nada fatal - me pessoalmente.
    Não me foi pedido para chamar o 911. Ele me disse o que fazer e eu fiz o que médico me disse parafazer – meter algum lá em cima rapidamente "
    2 Seguranças na propriedade 24 / 7.  Casa tem portas e os portões são monitorados. So a familie é permitida a pedido de Michael.

  15. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  16. #9
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Testemunho de Murray Dia 3 - 29 Setembro, 2011

    Sessão da Manhã

    Testemunho de Alberto Alvarez (AA)


    Procurador Walgren interroga

    Walgren mostra fotos da casa e pede a AA que identfique onde CM estavabem como que identificasse os quartos.

    AA diz que so foi ao andar de cima 2 vezes em 6 meses enquanto trabalhava para MJ.

    CM disse-lhe "Alberto,vem rápido",AA dá conta que a situação é séria,desliga o telefone a MAW,e segue CM até ao quarto.

    AA viu CM fazer massagens cardiacas a MJ,que estava na cama,virado de costas,com as mãos viradas para cima,os olhos e a boca aberta.

    A sua cara estava virada ligeiramente para a esquerda.CM usava apenas a mão esquerda enquanto fazia a mensagem cardiaca.

    CM diz-lhe que precisavam levar Mj para o hospital.AA estava a andar ás voltas da cama,enquanto tirava o seu telemovel do bolso.Prince e Paris seguem-no até ao quarto.
    Paria grita "papá"e chorava.CM diz"não os deixem ver o pai assim".AA acompanhou as crianças até á porta e assegurou que tudo ficaria bem,que não se preocupassem.

    Quando voltou,AA perguntoua CM o que aconteceu.CM diz que "ele teve uma má reacção"

    AA viu um cateter de colheita de Urina em MJ pénis.

    AA não viu nenhum equipamento de monotorização,nem de ventilação.AA só viu um tubo de plastico para o oxigenio,que estava no nariz de MJ,e viu as seringas.

    CM pediu a AA que recolhesse e colocasse num saco,todo o material usado de noite.

    CM diz a AA para pegar no saco com as seringas,e colocar na mala Azul,e AA vê uma garrafa de solulção de salina na mala.


    Walgren:"Porque seguiu essas indicações?"AA "Acreditei que CM tinha as melhores intenções em mente,e não questionei sua autoridade.Achava que estavamos a preparar-nos para irmos para o hospital.

    O pedestal de seringas,tem 2 ganchos.Um com a bolsa de solução de salina,e CM não pediu para a retirar essa.Apenas pediu que retirasse a bolsa com solução de salina com garrafa.AA nota uma substância leitosa a sair dessa garrafa.






    Walgren mostra fotos da bolsa de solução de salina a AA.
    O saco tem um corte,e AA diz que não viu esse corte no dia 25 de Junho.
    Walgren mostra o corte aos jurados,e ainda uma garrafa vazia de 100ml de Propofol.
    Walgren coloca a garrafa na bolsa de solução de salina atraves do rasgão,e mostra a AA e aos jurados.



    AA diz que tudo se passou rápido demais,e que se limitou a obedecer a CM.

    O telefonema para o 911,é ouvido,e Alberto parece estar visivelmente perturbado e prestes a chorar quando a ouve.

    AA e CM colocaram MJ no chao.Aa viu um tubo de plastico a sair da bolsa intervinosa que estava ligado á perna de Michael.

    CM retira -a quando move Mj para o chão.
    CM retira o oximetro de um saco e coloca-o no dedo de MJ.



    AA diz que uns dias antes,do dia 25 de Junho,Cm pediu aos seguranças pilhas .
    AA viu CM com um dispositivo,e pergunta para que serve,ao que CM reponde que é um monitor cardiaco.

    FM entra no quarto.AA diz que "não parece nada bem",CM pergunta se alguem sabe fazer reanimação.AA ajuda CM a fazer reanimação,fazendo massagens cardiacas,com as 2 mãos,pois sabia como a fazer,aprendeu quando era nadador.CM fazia respiração boca a boca,e diz que é a prmeira que o faz,mas que tem que fazer,porque MJ é seu amigo.
    AA continua a fazer massagens cardiacas.Os Paramedicos chegaram pouco depois,e AA diz que não ha sinais que MJ esteja vivo.
    Os Paramedicos mudam MJ do lado da cama,para os pés desta.AA vai ate junto das crianças por 2 vezes,e fala com MAW.Enquanto os paramedicos traziam MichaelAA tentava distrair as crianças,para que não vissem o pai daquela maneira.

    No UCLA,AA pediu aos paparrazi que os deixassem a sos,dizendo que era um momento privado,protegendo MJ enquanto entravam.CM agradece a AA a ajuda,e AA diz "fizemos o nosso melhor".Naquele momento AA não suspeitava que MC tinha feito algo de errado.CM diz que está chateado,epergunta se alguem o pode levar a casa.AA não responde,e CM pergunta a MAW.A ultima vez que AA vê CM,ele estava nas urgencias,e dizia "quero que se salve .

    AA e outros seguranças,sairam após o anuncio,quando MJ era levado pelos medicos forenses.Dirigiram-se a carolwool,e a policia estava lá.Ficaram fora da casa enquanto falavam com os dectetives.Pediram a AA que fosse buscar o cão das crianças,Kenya,a Hayvenhurst.

    Os media tentaram 20 ou 30 vezes que AA desse entrvistas,e ofereciam-lhe muito dinheiro.Ofereceiam cerca de $200,000 a $500,000, e AA recusou.
    AA diz que este acontecimento foi negativo,pois passou de ter um optimo emprego a tempo inteiro para uma situação economica má,e diz qu foi o mais honesto possivel com a policia.

    Contra interrogatorio da Defesa,por Chernoff

    AA desenhou a bolsa de IV,após a audiência preliminar.Defesa mostra outro desenho feito pela policia.AA nãose lembra de ter o ter desenhado.As perguntas feitas pela defesa,nunca mencionaram o corte na ponta antes.Chernoff diz que o saco já não tem nenhuma substancia branca nele.



    Chernoff pergunta se ele não estará a confudir a cronologia dos eventos,ao que AA nega.
    Chernoff pergunta se é possivel que CM tenha pedido a AA,para recolher os frascos depois da chamada para o 911,ou apos os paramedicos chegarem,antes de levarem MJ para o hospital,e AA nega.

    Defesa fala dos telefonemas que AA fez,e de como AA entra na casa.AA apercebe-se de que algo está mal,mas não sabia se estava relacionado com MJ.
    Defesa fala do que AA fez quando entra na casa.AA repete o que disse no testemuno anterior.Diz que ficou chocado quando entrou no quarto.Chernoff escreve a linha dos acontecimentos,e os jurados tem problemas em ler.A defesa continua a referir os acontecimentos,e a dada altura,mencionam o testemunho de AA nas audições preliminares. Chernoff pergunta a AA sobre a chamada feita para o 911,e sobre pôr os frascos numa mala.A maioria das questões foram sobre a linha de acontecimentos,e a comparação com os factos descritos por AA.


  17. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  18. #10
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Sessão da Tarde

    O contra-interrogatorio da Defesa continua.

    Chernoff pergunta a AA como tirou a bolsa de soro e o pedestal.AA responde que pegou pela parte supoerior da mesma.
    AA menciona ter tirado a bolsa pela 1ª vez,em agosto de 2009,na sua segunda reunião com a policia,onde tambem lhe ficaram com as impressões digitais.

    Chernoff pergunta se poderia estar enganado em relação á data dos acontecimentos,e AA nega.

    AA: (olhando para a transcrição do 911) indica quando colocaram MJ no chão de acordo com a mesma.
    OP diz, vamos coloca-lo no chão,e AA acata o pedido. AA diz que puseram MJ no chão enquanto falava com o 911.
    Chernoff reproduz a chamada feita para o 911,e AA indica o momento em colocaram MJ no chão.

    AA: explica o desenho que fez,e diz que havia uma caixa que tinha dentro um alarme,e não agulhas.



    Chernoff refere as ofertas feitas pelos media.AA diz que ja tinha havido ofertas antes de falar com a policia em Agosto de 2009.Chernoff diz que AA não mencionou a mairoria das coisas que disse em Agosto,na intervista com June.

    Chernoff mostra um video de AA no hospital,onde esperava fora do quarto onde estava o corpo de MJ apos ter sido declarado morto.Chernoff refere que havia muita policia e pergunta a AA se mencionou o facto de terem recolhido os frascos,e AA nega.AA foi interrogado pela policia no hospital.

    Barra lateral


    Os seguranças foram a Carolwood falar com os detectives. Chernoff mostra fotografias tiradas fora da casa,com os decetives a pedir a AA para identificar as pessoas das fotos,e uma vez mais pergunta a AA se mencionou algo sobre os frascos.AA nega.


    Chernoff refere as bolsas de salina e pergunta se tal estava relacionado com MJ,e AA confirma.

    AA vê uma reportagem na CNN sobre as provas,e vê tambem os detectives a sairem da casa com uma mala azul bebé.AA ouviu nas noticias que o propofol era branco,e ao apercebeu-se que se desfez deles,sentiu que precisava de falar com os detetives,pois achou que os devia referir á policia.

    Chernoff questiona o trabalho de AA,que diz que não consegue ter um emprego continuado.AA acompanhou a History com MJ.Em 2004 trabalhou com MJ durante 6 mesese.Em 2007,trabalhou para MJ durante uns meses em Las Vegas,Em 2008 Las Vegas durante2 ou 3 meses.
    Apos a morte de MJ,AA trabalhou com a familia Jackson.Preocupava-se com as crianças.A Assistente de Katherine,mencionou que AA poderia tonar-se segurança dos Jacksons.Esta conversa tem lugar em Novembro de 2009.AA trabalhou para os Jacksons durante uns meses em 2010. Chernoff tenta saber para que outras celebridades AA trabalhou.

    Objeção.Negado.

    Chernoff Pergunta a AA qual a sua relação com CM e se eram amigos. Chernoff tenta saber porque razão CM conspiraria com ele,(AA),e esconderia provas.Objeção. Sustpenso.

    Walgren re-interroga



    Walgren fala sobre a cronologia dos acontecimentos que Chernoff escreveu,e pergunta a AA,se os eventos se passaram de forma simultanêa,ou continuada.Walgren faz questões rapido demais,e o juiz,pede a Walgren para abrandar o ritmo,e diz que vê "vapôr a sair".

    Chernoff re-interroga

    Chernoff pergunta a AA se fez estes eventos rapidamente. AA diz que actuou rapidamente,e que é muito eficiente.A audiência ri-se.


    Testemunho de Kai Chase (KC)

    Dirige Brazil



    KC Cozinheira profissional.Em Março de 2009 trabalhava para MJ.A sua função era preparar as refeições par MJ e seus filhos.KC era responsavel pelas compras para a casa,e gostava de trabalhar para Michael e seus filhos.KC usa um uniforme de cozinheira profissional - Avental e barrete.O avental tinha 2 bolsoa. KC diz que mantinha a noção do tempo,porque precisava de fazer a comida,e coloca-la a horas na mesa.KC diz que tinha o seu telemovel no bolso do avental,para ter a noção das horas.

    KC trabalhava 6 dias por semana para MJ.Chegava ás 8 da manhã,preparava o pequeno almoço para as crianças,e depois o pequeno almoço e o sumo de MJ. MJ comia Granola,sumos e comida vegetariana.Comida saudavel era muito importante para MJ e seus filhos.KC via MJ comer com seus filhos."Pareceu-me que MJ tinha uma relação muito proxima e afectuosa com seus filhos,e eles pareciam felizes a seu lado."

  19. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  20. #11
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    (Após o intervalo)

    Junho dia 24.Cheguei a casa pelas 8.30 da manhã,preparei o pequeno almoço para as crianças,preparei o sumo de Michael que tinha aipo,cenoura,maçãs e cenouras.KC via KC via CM todas as manhãs.Ele ia á cozinha,e por vezes levava a Michael o seu sumo.CM sdisse que MJ iria descer em breve,e que gostaria de almoçar com os seus filhos. CM retirou-se para outra divisão da casa.

    KC viu MJ no dia 24 de Junho e falaram.MJ perguntou o que era o almoço e sorriu.Ele estava contente porque ia almoçar com os seus filhos.
    KC fez uma salada de atum,para que Michael pudesse ir ensaiar,e fez sopa de feijão branco para o jantar.
    KC Tambem cozinhou para CM e para os filhos de MJ.Saiu de casa ás 10 da noite nesse dia.

    Junho dia 25,Cheguei a casa entre as 8:00-8:30 da manhã,preparei o pequeno almoço das crianças.A sopa que tinha feito na noite anterior,estava ainda no frigorifico.
    KC prepara o pequeno almoço de MJ...granola com leite de aveia.
    As crianças diziam a KC quando Michael comia.
    9:45 da manhã, KC sai para ir ao mercado,e regressa por volta das 10.30.Tudo parecia estar na mesma quando saiu e regressou.As crianças brincavam,ouviam musica,e KC começou a fazer o almoço.

    MJ almoçava sempre ao meio dia e meia,e não havia nada de diferente no dia 25.KC estava a preparar salada de espinafres com peito de peru organico ,e ja tinha feito sumo fresco para MJ.CM não apareceu para levar o sumo nesse dia.

    CM veio á cozinha nesse dia entre o 12:05 e o 12:10.e parecia looked desesperado KC diz que CM estava nervoso,aflito e que gritava,"pede ajuda,chama a segurança,chama o Prince"
    KC parou o que estava a fazer,e correu para levar Prince.Disse-lhe:"despacha-te, Dr. Murray precisa de tiTalvez se passe aguma coisa com o teu pai".
    Prince e KC volta para a cozinha Prince vai ter CM, e KC retoma o trabalho.

    Brazil pergunta se CM lhe pediu para chamar o 911,e KC nega.Brazil pergunta a KC porque foi buscar Prince.e ela responde que conseguia ver Prince,e que CM parecia perturbado e desesperado. KC queria ajudar o mais rapidamente possivel,e Prince era quem estava mais perto.A segurança estava fora da casa.

    KC volta ao trabalho e vê a governanta a chorar.Pergunta-lhe que se passa,e esta responda que algo de errado se passa com MJ.Os filhos de Michael choravam e gritavam.
    Deram as mãos e rezaram em circulo.KC vê depois a segurança e os paramedicos a subirem as escadas.KC,a governanta e as crianças ficaram no corredor.Pouco depois pedem a KC e á governanta para sairem de casa e KC saiu.

    KC diz que ainda tem o seu coração partido.Está devastada.KC falou com os detetives dias depois.Foi contactada por varios meios de comunicação social,que lhe perguntaram que se tinha passado naquele dia.Kc deu varias intervistas apos ter falado com a policia.
    Brazil pergunta se recebeu algum dinheiro dos media,e KC nega.KCrefere as intervistas que fez com os media internacionais.Um canal alemão intrevistou-a sobre comida,e foi paga $1,000 por tal. KC tambem participou num documentario Francês,e foi paga $1,000. Participou depois em mais 5 intervistas,e no total recebeu $7,000 por todas as intervistas.

    Brazil pergunta a KC se alguma vez quiz enriquecer á custa de MJ,e KC nega.

    Contra interrogatorio da Defesa Flanagan

    A Defesa pergunta a KC se estava a casa no domingo dia 10 de Maio,e ela diz que não. Kdiz que MJ descia para tomar pequeno almoço 2 vezes por semana,entre as 8.30-9 da manhã,e que no outros dias,o pequeno almoço era ttomoado no seu quarto.

    Quando KC chega de manhã,o portão estava fechado.Ela carrega num botão,diz quem é,e um dos seguranças vai ter com ela .Ela não se lembra quem estava de serviço no dia 25.
    Quando chega a casa,tem de tocar na campainha da cozinha, para poder entrar.As crianças ou a governanta deixavam-na depois entrar. When she comes to the house , she had to knock the kitchen door to be let in.No dia 25 de Junho,foram as crianças que lhe abriram a porta.

    KC diz que so tinha os telefones de MAW.KC diz que não havia linha de terra na casa,e que não tinha o telefone de AA,FM,Ama,ou MJ.

    Defesa pergunta a KC qual a distancia entre a cozinha e a casa da segurança.KC explica.

    CM foi á coziinha deseperado,e gritou"pede ajuda,chama a segurança, tras o Prince".
    KC pensou que era uma emergencia,mas não sabia que tipo de emergencia era.KC foi ao estudio chamar Prince,e disse DR:"Murray precisa de ti.Passa-se alguma de coisa de erado com o teu pai".Prince foi ter com CM,e KC voltou ao trabalho.

    Flanagan pergunta que idade tinha Prince,e KC responde 12.Flanagan pergunta porque não chamou a segurança,e ela diz que Prince estava mesmo á sua frente. Ela disse que não queria perder tempo a ir chamar a segurança,pois não sabia se eles estavam,ou se tinham saido,e não queira correr riscos.

    Flanagan volta a perguntar se viu CM deseperado,e se pensou que algo de errado se passava com MJ,ela confirma.
    Flanagan pergunta a KC se CM estava a pedir ajuda,e a chamar a segurança,e se KC pensou que uma criança de 12 anos,fosse capaz de assistir CM.
    KC..."Fiz o que me foi pedido e fui chamar Prince ".
    Flanagan pergunta se voltou a ver CM,e KC nega.
    Flanagan pergunta se KC alguma vez disse a CM que não foi chamar a segurnaça,e KC diz que não.

  21. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  22. #12
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Julgamento de Murray dia 4,-30 de Stembro de 2011

    Sessão da Manhã


    Testemunho de Bob Johnson





    Walgren interroga

    Empregado de Nonin Medical,desenhou equipamentos não invasivos,tais como Oximetros de pulso.Johnson afirma que é o director de assuntos regulares de investigação clinica.
    Johnson afirma que tem responsabilidades de obter aprovação do produto pela FDA,e pelos ministerios de saude do mundo.Johnson afirma que a investigação clinica,implica a investigação animal e humana.
    Quando é solicitado,Johnson afirma que os oximetros de pulso,detectam tanto o pulso como avaliam o numero de celulas vermelhas que tem oxigenio.Basicamente determina a saturação de oxigenio e as pulsaçoes,a que se dá o nome de SPO2.
    Johnson afirma que Nonin faz provavelmente 10 ou mais odelos de oximetros.

    Walgren pergunta Johnson se esta familiarizado com o modelo i9500,e Johnson diz que sim.
    Johnson descreve o "onyx 9500" como sendo um oximetro de dedo que mostra tanto o ritmo cardiaco,como o SPO2 .
    pedem a Johnson para identificar um oximetro de pulso que estava no quarto de MJ,na altura da sua morte,e Johnson confirma.Pedem-lhe para identificar 2 numeros no oximetro,e Johnson explica que 92,é o ritmo cardiaco,e que o numero de cima,é a percentagem e globulos vermelhos que tem oxigenio.

    Walgren pergunta se o oximetro Nonin 9500 tem um alarme audivel,e Johnson diz que não.Johnson afirma que este oximetro em particular é usado para detectar perdas de sangue.
    Um medico usaria este modelo,se um paciente fosse ao consultorio para saber suas pulsações e ritmo cardiaco,dai esse modelo não ser usado para fazer monotorização continua.

    Walgren pergunta a Johnson se a Nonin,faz oximetros que tenham alarrmes audiveis,e este confirma.
    Walgren pergunta quanto custariam esses modelos de oximetros,e Johnnson diz no minimo.
    Walgren pergunta se Noninfaz o modelo de oximetro 2500A,e Johnson confirma.
    Johnson explica que o 2500A faz as mesmas funçoes que o 9500,mas que inclui alarmes visuais e audio.
    Johnson afirma que o alarme no seu nivel mais alto pode ser ouvido de fora.
    Johnson diz o minimo valor do modelo 2500A é $750. Walgren pergunta se Nonin faz o modelo 9600 em oximetro de mesa,oximetro de pulso,e johnson dizue sim.
    Johnson afirma que as leituras são as mesmas,as pulsações,e que os seus valores minimos rondam os $1250 em 2009. Diz ainda que a Nonin faz oximetros de pulso que mostram a canografia,qu é o C02 procedente da respiração de uma pessoa.
    Walgren pergunta a Johnson se estes modelos se encontram disponiveis para venda,e Johnson diz que estão.Pergunta depois quanto custa um dos modelos mais caros ,e Johnson diz $40 por mês.


    Contra interrogação da Defesa

    Quando perguntado se o modelo 9500(,encontrado no quarto onde MJ morreu),é fiavel,Johnson diz que sim.Perguntam a Johnson se para monotorizarem um paciente por 15 minutos,esse modelo seria adequado,e Johnson diz que talvez.Perguntam-lhe se o oximetro de pulso detecta mudanças,e ele confirma.
    Perguntam ainda,se alguem estivesse com um paciente sob a influencia de propofol por 5 ou 10 minutos,se haveria mudanças constantes no oximetro de pulso,e Johnson diz que não,explicando que é muito dificil controlar os numeros,por isso não ser recomendado para monotorizações continuas.
    Quando perguntado o que Johnson quer dizer com monotorizações continuas,ele explica que é algo que não seja para fazer um controlo esporadico,ou para saber os sinais vitais

    A Defesa pergunta se seria seguro monotorizar a cada 5 minutos,e Johnson diz que sim.
    A defesa pergunta se seria seguro monotirizar por 15 minutos,e Johnson diz que só se o medico estiver a ver o ecrã.

    Johnson explica que bastam 5 a 10 segundos para ter uma leitura fiavel no oximetro.
    A defesa pergunta se apos esse tempo,a leitura muda,e Johnson diz que sim.
    A Defesa pergunta mais uma vez,se pode ser usado para monotorização constante,e Johnson diz uma vez mais que não.

    Contra interrogatorio de Walgren

    Walgren pergunta se a diferença entre o oximetro audivel e o não audivel,é uma grande diferença,e Johnson diz que faz toda a diferença.
    Walgren afirma que é a diferença entre a vida e a morte,e Johnson concorda.Walgren pergunta se o oximetro sem som é inutil quando o medico se encontra noutro quarto,e Johnson diz que sim.

    Flanagan (Defesa) contra interrogatorio

    Defesa pergunta mais uma vez se um medico está constantente a monotorizar,se o oximetro de pulso é inutil,e Johnson afirma que não.

    Testemunho de Robert Russell



    Deborah Brazil, Procuradora interroga

    Russell diz que teve um ataque caridaco em 2009,em Las Vegas, e conheceu Dr. Murray nas urgencias do hospital.Russell disse que Murray reviu o que se tinha passado,e colocou stents em seu coração para o reparar.Russell afirma que essa fora a primeira vez que conhecia Murray.

    Russell diz que foi parar ás urgências,depois fez cirurgia,onde Murray e um anestesista,fizeram a operação.
    Russell diz que esteve acordado durante a cirurgia,porquelhe tinham dado remedio a mais para a sua tensão arterial no hospital.
    Russell diz que quando foi acordado,Murray disse "aqui está o seu coração (no ecrã), fique acordado",e que Russell não queria ver.
    Russell afirma que Murray instalou 3 stents em seu coração.Russell diz que quiz deixar o hospital nessa noite,as que Murray foi severo com ele, e disse-lhe que esteve a minutos de morrer, e que se deixasse o hospital,era um homem morto.Russell teve alta do hospital,no dia 12 de Março aproximadamente.

    Russell diz que foi a uma consulta no dia 16 de Março de 2009,e que Murray lhe disse que precisava de uma segunda intervenção,para inserir mais stents no seu coração.Russell diz que Murray lhe disse,devido aos problemas da primeira cirurgia.Murray disse a Russell que não foi capaz de pôr todos os stents em seu coração,por isso Russell precisava de outra operação para terminar a colocação dos stents.Russell diz que sentiu Murray o tratou muito bem.
    Russell afirma que Murray lhe disse que teve uma oportunidade de ir para o Reino Unido,para tratar de uma pessoa,mas não lhe disse quem essa pessoa era.Russell diz que marcou a segunda operação que aconteceu em Abril de 2009.
    Russell diz que a operação foi identica á primeira,mas que era uma cirurgia ambulatoria.Diz ainda que um anestesista esteve presente,juntamente com Murray,e outro pessoal clinico. states that an Russell diz que foi para casa nesse mesmo dia,e que marcou consultas de rotina.Russell diz que numa dessas consultas,Murray lhe disse que tinha tomado a decisão de cuidar do seu paciente,e que esse paciente era Michael Jackson.
    Russel afirma que não disse nada ao seu staff, e que o ia fazer,apos ter dito a Russell e á sua esposa.Russell diz que Murray referiu que tinha uma longa relação profissional com Michael Jackson,e Russell diz que fica muito contente por Murray,que parecia muito lisonjeado e contente por ir trabalhar para Michael Jackson. Russell diz ainda que Murray lhe disse que precisava de terapia para o seu coração,pois isso era importante para a sua recuperação.

    Russell afirma que a terapia para o seu coração começou em meados de Abril de 2009,e era diaria.Russell diz que Murray so ela está ocasionalmente.
    Russell diz que Murray lhe disse que não estaria presente.
    Russell diz que terminou a terapia em principios de Junho,e que teve consulta no dia 15,para saber os resultados da terapia,e verificar como estava seu coração.Russell afirma que esta consulta foi muito importante para ele,mas que Murray não comapreceu.Russell afirma que recebeu um e-mail de Murray depois de 15 de Junho,enviado a todos os pacientes,a dizer que Murray deixaria as suas especialidades temporariamente,para que pudesse paroveitar "a sorte que so tem uma vez na vida."O mail dizia que Murray iria encontrar uma forma de poder exercer,e que iria encontrar um substituto adequado. Russell diz que não ficou surpreendido.

    Russell diz que tinha uma segunda consulta no dia 22 de Junho,porque Murray tinha cancelado a anterior,mas esta tambem foi,e Russel sentia que estava dependente de Murray,porque não tinha referências,e Murray tinha todo o seu historial clinico.
    A 25 de Junho 2009, Russell telefona para o consultorio de Murray de manhã cedo.Russell diz que criou uma relação com o pessoal que trabalha com Murray,porque durante a terapia,os viu mais que ao proprio Murray.
    Russell diz que expressou a sua frustração,e como se sentia desesperado,e ameaçou fazer queixa,pois sentia-se abandonado.
    Russell recebeu mais tarde nessa manhã,uma mensagem de voz,nesse mesmo dia,25 de Junhode 2009, de Murray.

    A gravação reproduzida,é Conrad Murray dizendo que a terapia de Russell correu muito bem.
    Russell diz que se sentiu grato,por Murray ter tido perdido tempo a ligar-lhe.Russell sentiu que o seu depoimento era estranho,porque Murray dizia que o seu coração tinha sio reparado,quando meses antes,lhe tinha dito que nunca ficaria totalmente recuperado.Russell afirma ainda que achou estranho quando Murray disse que ia num ano sabatico,quando Russel sabia que Murray era responsavel por MJ. Russel afirmou ainda,que embora a principio achasse que Murray era um excelente medico,acabou por sentir abandonado.

    Chernoff Defesa contra interroga

    Chernoff estabelece que ele Russell nunca se conheceram.Russelldiz que nunca tinha tido nenhum procedimento medico como aquele.
    Russell afirma que Murray se mostrou inflexivel sobre a gravidade da doença que Russell tinha tido,e que Murray lhe salvou a vida.

    Russell afirma ainda que Murray conhecia a sua esposa,e que o seu ataque cardiaco foi a 9 de Março de 2009, e que agora estava em boa forma,segundo dizia o seu cardiologista,que confirmou que os stents tinham sido bem inseridos.

  23. #13
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Chernoff Defesa contra interroga

    Chernoff estabelece que ele Russell nunca se conheceram.Russelldiz que nunca tinha tido nenhum procedimento medico como aquele.
    Russell afirma que Murray se mostrou inflexivel sobre a gravidade da doença que Russell tinha tido,e que Murray lhe salvou a vida.

    Russell afirma ainda que Murray conhecia a sua esposa,e que o seu ataque cardiaco foi a 9 de Março de 2009, e que agora estava em boa forma,segundo dizia o seu cardiologista,que confirmou que os stents tinham sido bem inseridos.


    Testemunho do Paramedico (RS)



    Brazil Interrogatorio
    RS é um paramedico no departamento de incêndio de Los Angeles.

    25 de Junho,RS estava a trabalhar na estação de bombeiros 71.Receberam uma chamada para ir a Carolwood."paragem cardiaca,reanimação em curso,homen de 50 anos,não respira".

    Foram a Carolwood.RS era o lider de equipa,e foi quem atendeu a chamada,e recolheu/gravou a maior informação possivel.

    Brazil mostra a prova 43,e o que nela está escrita.




    Informação Impressa:

    Linha 1:Ambulancia 71,motor 71
    Line 2: Morada 100 Carolwood
    Linha 3:Numero de incidente, 5-12 paragem cardiaca 12:21 hora chamada,homen de 50 anos
    Linha 4 :Codigo de paragem cardiaca,não respira.
    Linha 5: O numero de telefone de onde veio a chamada
    Linha 6 :Hora de despacho em que foi feita a chamada 12:22
    Linha 7 :Chamada para o 911 feita por um telemovel.A chamada contiuna eenquanto o despacho é feito.
    Linha 8 :Onde a chamada é feita originalmente,e transferida.

    No fim está uma etiqueta com a identifacação do paciente em UCLA dirigida a MJ quando ai foi levado.

    Chegaram ás 12:26.A ambulância entra na residencia,RS tira o equipamento de primeiros socorros e segue os seguranças.RS vê MJ,CM,e a segurança no quarto.

    RS descreve o paciente.MJ estava de pijama de botões,e o de cima estava aberto.Tinha um gorro na cabeça,e parecia muito magro.

    RS descreve CM,que estava inclinado sobre MJ enquanro lhe media as pulsações e o tirava da cama para o chão.

    RS viu ainda os seguranças a ajudarem a colocar MJ no chão.

    De acordo co RS,CM estava frenético.

    Quando entrou no quarto RS pergunta se tem uma avançada NR (Não recuscitação) ordem.e CM responde que não.

    RS vê as seringas e o tanque de oxigenio,enquanto tenta perceber o que se estava a passar.Pergunta 3 vezes se existe um problema de saude subjacente,e CM não responde.

    De acordo com RS,a situação não fazia sentido,uma vez que havia um medico na casa,e um suporte de IV.

    RS pergunta á quanto tempo o paciente está incosnciente,e CM responde que tinha acabado de acontecer.RS diz que ambulancia chegou muito rapidamente,e que se tivessem sido chamados imediatamente,tinham maior hipotese de reanimar MJ.

    12:26 é a hora a que RS chega ao quarto,e começa a fazer observações.RS diz que chegaram a ao quarto num espaço de 5 minutos,e que ele e um bombeiro,mudaram MJ do lado da cama para os pés da mesma,porque não havia espaço suficiente para trabalhar.RS continua a tentar recolher informação de CM.
    O bombeiro Herron fazia a reanimação.O paramedico Blount começou a ventilação.O Paramedico Goodwin fazia o eletro-cardiograma.O capitão de bombeiros,ajudava em tudo o que podia
    RS estava ocupado,e nem reparo que o paciente era MJ.Só soube mais tarde.

    Ecg mostra linha plana / assistole.

    MJ tinha uma seringa na perna.RS verificou se estava a resultar,e deu uma injecção de atropina,e adrenalina,que são drogas que fazem o coração começar a bater.
    RS verifica que não há mudança no coração de MJ,apos administrar as drogas.
    RS pergunta a CM que tipo de medicação MJ toma,e CM responde que está a ser tratado por ter baixo peso,e fazer medicação intravenosa durante noite.
    CM disse que naquele momento MJ nõ tinha tomad0 nada,e do lhe tinha dado lorazepam para dormir,pois estava a tratar MJ por desidratação e exaustão.

    Por esta altura MJ estava ligado ás maquinas,e tinha recebido uma dose de drogas.Blount intubou MJ rapidamente para deitar ar directamente para os pulmões.RS monotorizava a situação,enquanto a reportava para o UCLA,e descrevia a idade,a sua situação,como se encontrava,e o que tinham feito.Quando RS olhou para MJ,não acreditou que estivesse apenas em baixo,pois verificou que a sua pele estava fria,os olhos abertos e dilatados,o ECG estava parado,e a canografia estava lenta.

    Deram a MJ uma segunda dose de drogas,que administraram na veia jugular(pescoço,lado esquerdo).O paramedico Goodwin tentou encontrar uma veia no braço de Michael,mas sem sucesso.RS explica que é muito dificl localizar uma veia quando não há circulação sanguinea.

    Depois de RS ter contactado UCLA,e ter dito que administraram uma primeira dose de drogas,UCLA pergunta se querem continuar ou parar.RS diz que querem continuar.Após a segunda dose,RS contacta novamente o UCLA,que estava preparado para anunciar a morte de Michael.
    Brazil pergunta o que aconteceu á seringa que se encontrava na perna de MJ,e RS responde que CM a retirou,e que foi por isso que os paramedicos tiveram recorrer á jugular.

    CM diz que sentiu pulso na femoral direita.RS olha para o monitor e vê uma linha recta que so se mexe quando a reanimação está em curso.RS pede para pararem a reanimação,e procurarem pulsação.


    Prova 43 é exibida novamente.Falam das notas escritas.



    Chamada feita ás 12:21,niveis de glucose,EPI 3.5 mg ás 12:40, Alergia : florazen, outro EPI and e adrenalina. 12:57 a hora a que UCLA queria declarar a morte de MJ.
    caixa na mão direita: Hidratação e lorazepam e o que CM disse a RS. Segundo bicabornato - mais um farmaco dado a MJ
    RS diz que a hora é errada.Ele escreveu 14:00,mas na realidade eram 13:00.

    A chamada de RS feita para o UCLA é ouvida,e CM assume o controlo.

    CM pede aos paramedicos para fazerem um apanhado geral.RS diz que não têem nenhum tipo de equipamento disponivel.
    CM pede aos paramedicos para administrarem magnesio,e Rs diz que não têem.
    Brazil pergunta a CM se lhes propocionou os materiais necessarios para poderem fazer o seu trabalho,e RS nega.

    Prova 46



    902-M. O documento contem informação detalhada sobre os procedimentos efectuados.Os horarios em que as drogas foram administradas entre as 12:27 até ás 12:50. As escutas tambem são mencionadas,bem como a informação medica e as notas tomadas.

    Deram a Michael bicabornato de sodio,antes de o transporte.Todos os paramedicos e bombeiros trouxeram MJ para baixo numa maca.Alguns ainda faziam maasagens de reanimação.
    Quando no andar de baixo,MJ foi colacado numa cama de rodas,e RS volta ao andar de cima para recolher os equipamentos.

    RS vê CM com uma mala na mão,e a recolher itens do chão que tinham sido usados durante a noite.

    Mala Azul no chão não pertence aos paramedicos.

    RS recolhe os itens,vai para baixo para a ambulancia.
    CM estava ainda dentro de quarto,e junta-se a eles mais tarde.RS estava sentado junto na cabeceira de MJ,e verifica que não á alterações.
    MJ recebe nova dose de drogas na ambulancia,nada muda.
    RS vê CM ao telemovel.RS diz que nunca viu nenhum de vida em MJ,e que não houve nenhum alteração,nos 42 minutos que estee com ele.
    Chegaram a UCLA ás 13:13.



    Brazil menciona os equipamentos de monotorização,e pergunta a RS se os viu no quarto,ao qual RS responde que não.
    Brazil pergunta a CM se alguma vez mencionou o uso de Propofol,e RS nega.
    RS diz que CM esteve sozinho no quarto durante um tempo apos terem retirado os equipamentos.

    Defesa contra interroga,por Nareg Gourjian

    RS diz que receberam a chamada ás 12:22,e que sairam nesse mesmo momento.Gourjian diz que o telefonema teve lugar ás 12.20,e foi transferido para Beverly Hills.RS disse que não tinha conhecimento disso.

    Gourjian relembra RS o seu discurso na sessão preliminar,reproduzindo a descrição de MJ:palido,baixo peso,tão baixo que se via os ossos.Gourjian pergunta se MJ parecia muito doente,e RS diz que ele parecia ter uma doença cronica.

    Gourjian pergunta se são as caracteristicas fiisicas de alguem viciado em drogas,e RS diz que não pode confirmar se MJ era um viciado em drogas que o faziam perder peso ou ganha-lo.
    Rs achou que MJ tinha uma doença cronica.

    Gourjian pergunta sobre o facto de MJ estar na camaa,e RS diz MJ estava a ser retirado.

    Defesa pergunta a RS se perguntou a CM se MJ tomava drogas recreativas.
    RS diz que é uma questão comum,mas que não se lembra se perguntou ou não. Defense questiona RS sobre o Lorazepam. RS diz que não tem conhecimento suficiente para responder.

    Defesa questiona sobre o facto de CM não responder ás perguntas de imediato,e se o fez por estar ocupado.RS diz que se estava a passar muita coisa ao mesmo tempo e que estava ocupado.

    Defesa fala no que cada paramedico fazia.RS repete o que tinha dito anteriormente.Gourjian menciona o paramedico Herron que fazia reanimação,e paramedico Blount que fazia ventilação,e se o facto de CM ter pedido ajuda,é aceitavel.RS diz que sim,que não se deve fazer sozinho.
    Defesa relembra as regras da American Health Association (AHA) que refere que as pessoas devem trabalhar de forma a colaborarem.

  24. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  25. #14
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Sessão da Tarde:
    Defesa contra interroga por Nareg Gourjian continua



    A defesa pergunta se a reanimação devia ter sido feita onde o paciente foi encontrado,e RS diz que não.
    A defesa lê regras da AHA,e Rs concorda.A defesa pergunta se MJ tinha o IV e RS confirma.A defesa pergunta se isso poderia ajudar a movimentar o paciente e RS confirma.Pergunta ainda se as massagens cardiacas eram adqueadas,e se era irrelevante o paciente estar na cama ou no chão,e RS confirma.
    A defesa interroga CM sobre o pulso que disse sentir na arteria femoral de MJ.RS diz que não fazia ideia do que CM tinha dito.A defesa relembra o depoiemento de RS nas sessões preliminares,nas quais ele disse que é comum ter pulso na arteria femoral devido á reanimação.Defesa pergunta se CM teria realmente sentio pulso na arteria femoral,e RS confirma.

    Defesa pergunta porque RS não pronunciou MJ morto,como tina dito o UCLA.RS responde que preferiu ir até ao hospital,uma vez que era uma pessoa VIP,e porque achava que a paragem tinha acontecido á pouco tempo.
    Após terem posto MJ na ambulancia,RS voltou ao quarto para retirar o equipamento medico,e CM estava apanhar itens que teriam sido usados durante a noite,que segundo RS é algo normal.A defesa pergunta se CM poderia estar apanhar os seus oculos e mala,e RS diz que não viu nada porque a cama tapa a sua vista.RS volta á ambulancia.CM junta-se logo a seguir.
    A defesa pergunta sobre o telefonema que CM fez na ambulancia,e se RS ouviu alguma coisa.Rs diz não ouviu nada.A defesa pergunta ainda se CM estava a tentar ajudar os paramedicos,e RS confirma.

    Defesa pergunta se ter fraturas nos ossos é sinal de uma boa massagem de reanimação,e RS diz que é comum acontecer.A defesa pergunta se sabe o que é o Propofol,e RS nega.

    Michael era uma conbinação de actividade eletrica no pulso,e de assistole (linha plana).A defesa pergunta se há algum tipo de protocol a seguirem alguem com este tipo de problema,e se o defibrilhador não ajudaria,pois deram EPI ,adrenalina e bicabornato de sodio.Pergunta ainda se sabiam que MJ levava injecções de Propofol,e se alguma coisa poderia ter sido de maneira diferente.
    Objeção/suspensa.


    Brazil re-interroga

    Brazil pergunta se havia alguma confusão quando RS tentava salvar a vida de MJ.RS diz que não.

    Brazil pergunta se RS sabia see os tubos de IV tinham sido retirados,substituidos, ou colocados de novo devido ao facto de ter chegado.RS diz que a expressão de CM era de surpresa,e que tinha uma mala na mão.


    Defense re-interroga

    Defesa pergunta a RS qual o tempo estimado para a paragem cardiaca,e RS diz que é dificl especular.
    Gourjian relembra RS o seu depoimento na sessão preliminar,onde dizia que pelo menos 20 a 25 minutos antes de terem chegado.
    Gourijan pergunta se a hora da paragem cardiaca,podera ter occorido entre as 12:01 -12:05 da tarde.

    Defesa pergunta novamente se CM poderia estar a apanhar a sua mala,Objeção.suspensa.Defesa pergunta se CM pediu a RS que fechasse os olhos de MJ,ou que saisse do quarto,e RS diz que não.

    Brazil re re interroga

    Brazil relembra a sessão preliminar,e pergunta se é correcto que RS disse que o ataque cardiaco podia ter desde 20 minutos a 1 hora,e RS diz que sim.


    Defesa re re interroga

    Defesa pergunta se CM parou de fazer o que estava a fazer quando RS entrou no quarto.RS diz não.CM continuou a fazer o que estava a fazer.

    Testemunho de Martin Blount (MB)


  26. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


  27. #15
    Mariajoaosilva
    Guest

    Default Re: Portuguese Translations

    Brazil interroga
    Bombeiro/paramedico em LA,trabalhou durante 20 anos,tornou-se paramedico em 1999.Treinou no UCLA com medicos e enfermeiras.Cada 2 anos são obrigados a ter 48 horas de treino,trabalha na estação de bombeiros 71.

    MB conduzia a ambulancia.RS estava sentado a seu lado.Quando chegou a Carolwood,estacionou a ambulancia e dirigiu-se á casa.Viu um homem deitado na cama,e 2 socorristas a colocarem MJ no chão.CM transpirava imenso e estava agitado.CM diz" Ele precisa de ajuda,pode ajuda-lo por favor?"
    MB tem como função de conductor.A sua função inicial é dar assessoria e tratar o paciente.RS é responsavel pela comunicação e por obter informação.
    MB reconhece imediatamente MJ quando entra no quarto,e começa a dar-lhe suporte basico de vida.a sua função era dar ar a MJ.

    Passos a seguir:

    Suprimir a lingua para que esta não vá para a garganta e bloqueie as vias respiratorias.
    Colocar a cabeça para trás,para que as vias respitarorias estejam abertas e desobestruidas.
    Ambu-Ar artificial.Mais eficiente que respiração boca a boca,atado ao tanque de oxigenio que levaram.

    Demorou cerca de 1 minuto ou menos a fazer tudo isto.

    Avançaram depois com o suporte de vida,que é um tubo endo traqueal.100% de ar vai para os pulmões.È melhor que o saco de ambu.Ele executou em 45 segundos.

    De acordo com Blount,MJ não respirava,não se mexia,os seus olhos estavam fixos e dilatados,e achava que MJ estava morto.

    MB observa um tanque de oxigenio,e vê um longo tubo com uma canula nasal fixa.A canula nasal estava no MJ.

    MB viu tambem uma IN na perna de Michael,e uma bolsa de IV no pedestal de IV.Não viu nenhum equipamento de monotorização no quarto ou em Michael.

    Enquanto fazia as suas tarefas,MB viu o monitor cardiaco,que não tinha movimento.

    O dever de RS,era juntar informação medica.MB ouve RS perguntar que medicamentos MJ tomou,e CM dizer que não.Para condições de saude anterioresCM disse não.CM disse que era um homem saudavel de 50 anos,e que estava a dar liquidos,pois MJ ensaiava durane 16 horas e estava desidratado.MB ouve RS perguntar se MJ tomava drogas recreativas,e CM diz que não.

    Brazil questiona as drogas iniciais.Adrenalina e EPI.O paramedico Goodwin,fez multiplas tentativas para encontrar uma veia nos braços,mas não conseguiu.RS encontrou a veia jugular no pescoço para administrar outra dose de drogas iniciais.

    MB viu 3 frascos abertos de lidocaina no chão quando ajudava MJ.Lidocaina é uma droga cardiaca.Paramedicos não tem consigo lidocaina,e CM não menciona ter dado alguma a MJ bem como tambem não menciona o Propofol.

    MB diz que não ouvia nem sentia pulso.Brazil relebra-lhe o seu testemunho preliminar.MB relembra-se que CM disse que sentira pulso nas" zonas privadas".Pararam com as massagens cardiacas pois estas criar pulso artificial.Quando verificaram,ninguem sentiu nada.

    RS estava a comunicar com UCLA. MB estava preparado para anunciar MJ morto.MB nunca viu nenhum sinal de vida,e achava que MJ não estava vivo.
    CM tomou o control do paciente.Mj foi colocado numa maca e os paramedicos transferiram-no para o UCLA.Quando estavam a trazer Michael para baixo,MB viu CM a pegar em frascos de lidocaina do chão,e coloca-los num saco preto.MB nunca mais viu esses frascos.MB levou MJ para o UCLA.Administraram-lhe outra dose de drogas na viagem,mas não houve alteração na situação.MB viu e ouviu CM ao telemovel.MB ouviu CM dizer "é sobre o Michael,e não parece nada bem".MB não sabe com quem CM falou ao telefone.

    MB viu que MJ tinha cateter e preservativo,que fazia com que a urina fosse directamente para um saco.É usado em casos em que a pessoa não se consegue levantar e ir ao WC.

    RS perguntou á quanto tempo o paciente estava em paragem,e MB ouviu CM dizer "está assim ha 1 minuto".MB tocou na pele de MJ,quando ele estava na cama,e ainda estava quenteNo chão,estava frio.Ao verificar a condição em que MJ se encontrava,acredita que estaria em paragem ha mais de 1 minuto.


    Defesa interroga por Gourjian

  28. The Following User Says Thank You to Mariajoaosilva For This Useful Post:


Bookmarks

Posting Permissions

  • You may not post new threads
  • You may not post replies
  • You may not post attachments
  • You may not edit your posts
  •